sexta-feira, dezembro 30, 2005

É A VIDA!

SEM COMOÇÃO NEM VERGONHA
.
A propósito do negócio da Galp, o editorial do Público de hoje, com o título Joaquim Pina Moura, assinado pelo jornalista Manuel Carvalho, é um contibuto importante para percebermos os jogos de interesses do capital e dos seus lacaios. Por isso, não resisto à tentação de o transcrever na totalidade, aproveitando para dizer que também não esqueço as origens de Joaquim Pina Moura.
Durante muitos anos militante do PCP, pertenceu ao comité central e à comissão política e era considerado um dos delfins de Álvaro Cunhal, tendo também sido deputado pelo PCP.
Há um bom par de anos que é militante do Partido Socialista, onde exerceu cargos importantes, para além de ter sido ministro e de neste momento ser deputado.
Para mim, o papel que agora desempenha é que deve ser relevado e não o facto de ter sido do Partido Comunista Português. Isso já lá vai...
.
Se a decência fosse uma exigência nacional, a luta pelo controlo do poder na Galp Energia e na EDP não toleraria a existência de tantos jogos de bastidores, de suspeitas de pressões e de influências políticas ou de manobras de diversão para dar a um dos actores da peça o papel que não pode nem deve ter. Mas, neste país onde, por tradição, os grandes negócios se fazem com o beneplácito do Estado ou não se fazem, o decoro de pouco vale. Nas negociações labirínticas em torno das empresas do sector energético, até o princípio da mulher de César perdeu sentido: já ninguém parece, sequer, preocupar-se com as aparências.
Senão, vejamos: foi um ex-ministro de Guterres quem negociou com os italianos da ENI uma participação generosa na Galp? E então? Foi esse ex-ministro quem trouxe para Portugal a espanhola Iberdrola, autorizando-lhe a compra de lotes de acções em empresas públicas que tutelava? Qual é o problema? É esse mesmo ex-ministro que, depois de abandonar o Governo, passou a presidir a essa mesma Iberdrola? O que interessa? É essa empresa que, ao deter mais de quatro por cento da Galp Energia, assumiu uma posição fundamental para se decidir se é Américo Amorim ou a ENI quem, no futuro, vai mandar na Galp? E daí? É esse ex-ministro, ou alguém por ele indicado, que, por decisão do Governo, que é do seu partido, vai poder integrar o conselho consultivo da EDP, no qual poderá aceder a informação valiosa para orientar os destinos da Iberdrola? É a vida! O facto de ser deputado da maioria e, por consequência, de poder aceder com maior facilidade aos círculos do poder político não torna a sua posição, no mínimo, incómoda? Meu amigo...
Se a decência fosse uma exigência nacional, não estaríamos a dissertar sobre as apostas da Betandwin ou as queixas dos sindicatos ao Presidente da República. Um pouco mais de respeito pelas instituições e pela honorabilidade do Estado levar-nos-ia a tentar perceber por que é que a administração de topo da EDP vai ser demitida (ou se vai demitir) ou a perguntar como é possível que a Iberdrola, rival da EDP em Portugal e em Espanha, integre os órgãos sociais da empresa. Vão dizer que não ocupará cargos executivos, decerto. Mas o simples facto de participar no conselho consultivo criado por vontade política do Governo para acolher de novo a empresa do ex-ministro no seio da EDP - recorde-se que a Iberdrola foi afastada dos seus órgãos sociais, depois de se ter provado a impossibilidade de manter uma parceria estratégica em Espanha - permite-lhe, pelo menos, ter acesso aos temas em discussão, às prioridades, da eléctrica nacional.
Se a decência fosse uma exigência nacional, haveria muitas vozes como a do empresário Henrique Neto a denunciar a situação. Mas, para além de uma ou outra referência velada em colunas de opinião nos jornais, tudo isto se passa sem comoção nem vergonha. Só os espanhóis da Cajastur, parceiros da EDP em Espanha e, por consequência, rivais da Iberdrola, manifestaram o seu desconforto com a estratégia do Governo. De resto, pouco parece interessar que a Iberdrola seja liderada por um ex-ministro que, para além de desenvolver os negócios que ele próprio iniciou quando estava no poder, continue ainda a ter cara para se exibir como deputado da nação. Não é ilegal, mas que é pouco decente, lá isso é.
MANUEL CARVALHO

2 Comments:

At 13:29, Blogger segurademim said...

... chupam tudo até ao tutano!!! raio que os parta!!
(já não vou votar)

BJ :)

 
At 16:45, Anonymous rps said...

Também li e pensei fazer algo no Fado Falado. Não fiz. Mas é um grande texto do Manel Carvalho.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home